Neste episódio, Sérgio Amadeu conversa com Ludmila Costhek Abílio, pesquisadora e autora do premiado livro “Sem maquiagem: o trabalho de um milhão de revendedoras de cosméticos” (Boitempo, 2014), sobre a intensa “uberização” do trabalho e o avanço de tecnologias de destruição de direitos. Ludmila, em pesquisas realizadas junto ao Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit), da Universidade de Campinas (Unicamp), mostra como tem avançado a conversão do trabalhador em um elemento “just-in-time”, que o torna um ser descartável e como a gestão algorítmica do trabalho equaciona o futuro do trabalho diante da utilização neoliberal das tecnologias de servidão maquínica e da precarização das condições de existência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *